domingo, 15 de outubro de 2017

Cunha recebeu R$ 1 milhão para comprar impeachment de Dilma, diz Funaro

Em depoimento à Procuradoria-Geral da República (PGR), o operador financeiro Lúcio Funaro afirma que repassou R$ 1 milhão ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB) para que o então presidente da Câmara, atualmente preso em Curitiba, comprasse votos de deputados para aprovar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.
"Ele me pergunta se eu tinha disponibilidade de dinheiro, que ele pudesse ter algum recurso disponível pra comprar algum voto ali favorável ao impeachment da Dilma. E eu falei que ele podia contar com até R$ 1 milhão e que eu liquidaria isso para ele em duas semanas no máximo", disse Funaro, acrescentando que recebeu mensagem de Cunha dias antes da votação do impeachment, ocorrida em 17 de abril de 2016.
Funaro, que prestou o depoimento em agosto deste ano e teve a delação homologada pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), foi questionado por uma procuradora se Eduardo Cunha "falou expressamente em comprar votos". No documento, ao qual o jornal Folha de S.Paulo teve acesso, o doleiro reafirmou: "Comprar votos". Em seguida, a procuradora pergunta se ele "consolidou esse valor". "Consolidei o valor", respondeu o doleiro.
"Depois de uma semana de aprovado o impeachment, comecei a enviar dinheiro para ele (Cunha) ir pagando os compromissos que ele tinha assumido", disse Funaro, acrescentando que o dinheiro foi entregue em Brasília, Rio e São Paulo e que o deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE) foi um dos parlamentares "comprados", mas acabou faltando à sessão do impeachment.
"Tem um caso até hilário, mas um dos deputados que ele (Cunha) comprou e pagou antecipado, pelo que ele me disse, foi o Aníbal Gomes. Ele disse que tinha pago para o Anibal Gomes R$ 200 mil para o Anibal Gomes votar favorável ao impeachment. O que aconteceu? O Anibal Gomes não veio no dia da votação, faltou. Aí ele (Cunha) ficou louco (...). O cara deu a volta nele", disse o delator.
Tanto Cunha quanto o deputado Aníbal Gomes classificaram as declarações de Lúcio Funaro como mentirosas.

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Obra da Rodovia Mario Andreazza que custou quase 46 milhões, deixa de fora iluminação pública.

Há quase 2 anos de inaugurada a Rodovia Mario Andreazza que liga Cuiabá e Várzea Grande vem tirando a paz de moradores da região por conta da falta de iluminação e de sinalização durante todo o trecho da rodovia. 
A obra foi orçada em pouco mais de 22 milhões e teve o custo final de 26 milhões.
A Secretaria de Cidades (SECID) e a Prefeitura de Várzea Grande ficam jogando um para o outro a responsabilidade de reparos da rodovia enquanto moradores sofrem com o descaso e chegam a perder a vida.


Créditos Imagem: Otmar de Oliveira - Gazeta Digital
Moradores se arriscam diariamente, com isso acidentes são registrados com frequência na região muitas das vezes com vitimas fatais o mais recente foi na noite do último dia (22) de Setembro em que o condutor de um veículo de passeio morreu após se envolver em colisão com outro veículo na via. O acidente ocorreu por volta das 20h30 e a escuridão e falta de sinalização é a principal causa do acidente, tanto é, que não tem imagens do acidente exatamente por conta da escuridão.

Por outro lado alunos da região que frequentam a escola estadual José Garcia Neto põe suas vidas em risco ao atravessar a rodovia, a existência de faixa de pedestre ao longo da rodovia é raro, e a única que existe nas a proximidades da escola os alunos precisam contar com a sorte e com o bom senso de motoristas que muitas vezes não existe, pois o tráfego de carros e caminhões é intenso.

Blog Frente Pantanal entrou em contato com a Secretaria de Cidades (SECID) mas não tivemos respostas, o mesmo aconteceu em contato telefônico com a prefeitura de Várzea Grande onde ninguém atendeu as ligações. 

Massacre com 59 mostos em Las Vegas trás a tona polêmica do porte de arma de fogo nos EUA

Um homem armado com 19 fuzis realizou no ultimo domingo (01) o maior ataque a tiros da história dos Estados Unidos, deixando pelo menos 59 mortos e 527 feridos, em Las Vegas, o mundo inteiro reabriu a discussão sobre o controle de armas.

A questão do porte de armas nos EUA é um assunto cada dia mais polêmico e complexo. Os EUA possuem o maior índice de mortes por armas de fogo quando comparados a qualquer outro país considerado desenvolvido. São mais de 283 milhões de armas portadas apenas por civis ao redor do país. A cada novo massacre ou caso de homicídio o debate sobre a implementação de leis mais rígidas para o porte de armas de fogo é reaberto. Atualmente, de cada 100 pessoas residentes nos EUA, 98 vivem a pelo menos 15 km de uma loja que comercializa armas de fogo. Essas lojas podem variar de tamanho e vão de pequenos outlets até grandes redes como o Walmart, maior vendedor de armas do país.

Além do massacre em Las Vegas que deixou com 59 mortos, a lista de massacres é extensa: Virginia Tech (32 mortes), Escola de Sandy Hook (27 mortes), Cinema de Aurora (12 mortes e 70 feridos), Igreja em Charleston (9 mortes), dentre muitos outros exemplos. Depois de mais de 180 tiroteios em massa nos últimos 10 anos, o massacre dessa semana em Las Vegas, onde o americano Stephen Paddock, 64 anos, abriu fogo do 32º andar do Mandalay Bay, famoso hotel-cassino e resort, contra a multidão que assistia a um festival de música country, reabriu o debate em relação à ampla disponibilidade de armas nos Estados Unidos. Atualmente é muito fácil comprar armas de fogo em praticamente todos os 50 estados norte-americanos.

domingo, 1 de outubro de 2017

Denunciado pela 2º vez, Michel Temer monta estratégia com 42 parlamentares de todo o país para barrar denúncia de organização criminosa.

Na próxima terça feira o Presidente Michel Temer deve se reunir com 42 deputados são parlamentares de diversos partidos da base aliada e de todas as regiões do país, agenda de Temer prevê estratégia para barrar nova denúncia contra ele por organização criminosa e obstrução de justiça a denuncia foi apresentada a Procuradoria Geral da República além do presidente, a PGR denunciou também os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral) por organização criminosa. 

Por se tratar de um presidente da Republica, a acusação só pode ser analisada pelo Supremo Tribunal Federal mediante autorização da Câmara dos Deputados na denuncia anterior contra Temer os deputados barraram o prosseguimento do caso para o STF. 

O encontro com os 42 deputados faz parte da estratégia de barrar o avanço da nova denúncia, onde nesta terça feira (03) a agenda prevê 21 reuniões com os 42 parlamentares. 

Deputados e prefeito de Cuiabá estão na agenda confira abaixo os nomes.

  • 18h​ - Deputado Victorio Galli (PSC/MT)
  • 18h40 - Deputado Nilson Leitão, (PSDB/MT)
  • 20h - ​Deputado Carlos Bezerra (PMDB/MT); Deputado Federal Rogério Silva (PMDB/MT); Emanuel Pinheiro, Prefeito de Cuiabá; e ex-Deputado Valtenir Pereira. 

Datafolha: Lula cresce e lidera primeiro e segundo turno, Petistas comemoram e agradecem preferência do eleitorado

A preferência do eleitorado brasileiro pelo ex-presidente Lula não para de crescer! Em pesquisa Datafolha publicada neste domingo (1º), e cuja prévia fora divulgada no sábado (30), Lula tem ao menos 35% das intenções de voto nos cenários testados.
Mesmo após a condenação injusta pelo juiz Sergio Moro, Lula se mostra uma força política importante, cuja integridade e inocência a população conhece e em que confia.
Lula cresceu 5 pontos percentuais em relação à pesquisa anterior, divulgada em junho, na pesquisa estimulada, em que são mostrados cartões com os nomes dos candidatos. Paralelamente, as menções espontâneas cresceram de 15% para 18% desde o último levantamento.
No primeiro turno, Lula tem o dobro das intenções de voto do segundo colocado no levantamento, Jair Bolsonaro(PSC), que está empatado com a ex-senadora Marina Silva (Rede), com entre 16% e 17% e entre 13% e 14%, respectivamente.
Entre os tucanos, o governador paulista, Geraldo Alckmin, e o prefeito de São Paulo, João Doria, alcançam apenas 8%. Num cenário em que ambos concorram por partidos diferentes, ficam empatados.

Liderança também no segundo turno

A um ano das eleições de 2018, Lula vence também todos os possíveis adversários em caso de segundo turno.
No levantamento anterior, o ex-presidente aparecia em empate técnico se fosse ao segundo turno com Marina Silva (Rede). Nos últimos três meses, contudo, ampliou a liderança e apresenta, nas palavras da própria “Folha de S.Paulo”, “vantagem significativa sobre os principais adversários”.
Em possível segundo turno com Alckmin, Lula venceria por 46 a 32. Contra Doria, por 48 a 32. Contra Marina, por 44 a 36. Contra Bolsonaro, vence de 47 a 33.

Lula vê sua rejeição cair e a dos opositores crescer

Apesar de todos os esforços para desqualificar Lula e impedir que ele seja candidato à presidência, a rejeição a seu nome caiu de 46% para 42%.
A de seus adversários, por outro lado, cresceu. A de Doria, de 20% para 25%. A de Bolsonaro, de 30% para 33%, à frente de Alckmin (31%), Rodrigo Maia (30%), Ciro Gomes (27%), Marina (26%) e Henrique Meirelles (25%).
A notícia chega dias depois do levantamento FSBInfluênciaPresidenciáveis apontar que Lula é o virtual presidenciável mais influente nas redes sociais no último mês, seguido por Bolsonaro e Doria.
Alavancado pela caravana Lula pelo Brasil, que mostrou o legado e os resultados palpáveis dos governos petistas nos estados do Nordeste, o ex-presidente conseguiu 34,6% do total de interações entre os 17 possíveis candidatos estudados.
Em todos os cenários previstos pelo Datafolha, fica clara a preferência dos trabalhadores e trabalhadoras, que reconhecem o trabalho e a honestidade de quem mais fez pelos que mais precisam e que pode voltar a fazer.
Nem os ataques políticos e midiáticos diários conseguem ocultar o que o povo sente na pele: a diferença entre quem governa com o coração e os olhos voltados para as pessoas e um grupo de golpistas que atacam nossas conquistas e direitos diariamente.

Petistas comemoram e agradecem preferência do eleitorado


Para a senadora e presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, a pesquisa Datafolha mostra o acerto do PT em trabalhar apenas com o Plano L, de Lula.

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Rejeição de Temer chega a 77% dos brasileiros, presidente ilegítimo tem a pior avaliação desde a ditadura

O governo golpista do presidente Michel Temer é avaliado como o pior desde a ditadura militar o governo e a cúpula do PMDB estão envolvidos em diversas denúncias de corrupção isso leva em consideração a desaprovação de Temer que é avaliado por apenas 3% dos brasileiros que avaliam como ótimo ou bom.
 Os dados são de pesquisa da Confederação Nacional da Industria (CNI), em parceria com o IBOPE, divulgada nesta quinta-feira. 

No mesmo dia que foi divulgada a pesquisa, o índice de rejeição à Temer os que consideram o governo ruim ou péssimo foi de 77%. Para 16%, o governo é regular. 3% não souberam avaliar ou não respoderam, este é o pior desempenho na avaliação de um presidente da República desde o inicio da série histórica da pesquisa Ibope, em 1986, no governo José Sarney 

O presidente ainda é denunciado por suspeita de obstrução a justiça. Temer tem negado a prática de qualquer irregularidade. A denúncia contra o presidente ainda precisa de aval da Câmara dos Deputados para que possa tramitar no STF (Supremo Tribunal Federal)   


quarta-feira, 27 de setembro de 2017

A solução para a violência não está em colocar a juventude em presídios

A proposta que prevê a redução da maioridade penal, em tramitação na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, é uma violência contra juventude do nosso país. 
A medida parte do equivocado pressuposto de são os jovens os principais responsáveis pela violência crescente no país. Em nome dessa visão distorcida, o projeto aposta em colocar a juventude, em especial negros, pobres e das periferias em presídios superlotados. 

''Queremos a juventude nas escolas, ocupando os espaços públicos com todas as garantias de seu desenvolvimento, reduzir a maioridade penal é simplesmente empurrar o problema pra debaixo do tapete, o que não vai resolver em nada.''

Esse projeto foi aprovado na Câmara sob o comando de Eduardo e atende os interesses de Michel Temer que reduz o investimento em educação, enquanto apoia medidas de encarceramento da juventude brasileira.