terça-feira, 6 de junho de 2017

Deputada Janaina Riva (PMDB) quebra decoro ao chamar Governador Pedro Taques de Veado

A deputada estadual Janaína Riva (PMDB) perdeu a linha e acabou partindo para o ataque pessoal contra o governador Pedro Taques (PSDB). Em áudio que está circulando no WhatsApp, a deputada chama o chefe do Executivo de “veado”.
Em um discurso exaltado, a deputada argumenta que os problemas do Estado estão sendo resolvidos pelos deputados e que, uma vez que a oposição não é a maioria na Assembleia, nada será resolvido.
“Mas agora assim, tem que ter paciência porque quem mandou eleger esse veado pra governador? Tá aí agora o resultado”, alfinetou a deputada.
A quebra de decoro da parlamentar, se comprovada, pode acarretar em cassação do mandato. Janaína agora precisará contar com o apoio de seus pares, os mesmo que ela critica por não fazerem oposição a Taques, para que o caso não seja levado adiante.

Comunidade LGBT
Após repercussão negativa de vazamento de gravação onde usa o termo 'veado', se referindo ao governador Pedro Taques (PSDB), gravou vídeo pedindo desculpas a Taques e à comunidade LGBT.
Janaina postou o vídeo nas redes sociais nesta terça (06) reconhecendo o erro. Fato é que, mesmo se desculpando, Janaina pode sofrer processo por quebra de decoro e, de quebra, pelo tom preconceituoso de sua fala, perder todo o capital político que conquistou.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Alta cúpula do SBT está irritada com o apresentador com Danilo Gentili após polêmicas.

Reuniões estão sendo feitas na emissora na Grande São Paulo, desde a semana passada, para decidir qual decisão tomar em relação ao comportamento do apresentador. O motivo é um vídeo onde o apresentador aparece ofendendo a Deputada Maria do Rosário (PT-RS) Gentili tapa com os dedos o início e o fim da palavra deputada, formando a palavra “puta”.
Membros da direção do SBT não aprovam comportamento de Gentili nas redes sociais. O humorista, ao receber uma notificação remetida pela Câmara dos Deputados, gravou um vídeo onde aparece rasgando o documento, colocando dentro das calças, com indicações ofensivas e obscenas e, também, com incitação ao ódio e violência contra a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS).
Para a direção do canal, o vídeo publicado por Gentili não condiz com o comportamento esperado de um apresentador da emissora, que se define como um canal familiar para seu público.

Membros da direção do SBT consideraram o vídeo “obsceno e imaturo”.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Hospital Regional de Sinop deixa de receber pacientes por falta de repasses do Governo de Mato Grosso.

Que presentão para a Região Norte de MT, né Governador?
No aniversário de Mato Grosso, a população de Sinop ganhou do Governador o fechamento do Hospital Regional de Sinop. Por falta de repasses, o Hospital parou de receber pacientes, já que não tem materiais, remédios, os equipamentos estão sucateados e há uma superlotação. Segundo a prefeitura de Sinop, o hospital enviou comunicado informando que a falta de pagamento por parte do estado deixou a unidade sem materiais, remédios, com superlotação e equipamentos sucateados. Por esses motivos, novas internações colocariam em risco os pacientes que já estão no hospital.
Conforme a Secretaria de Saúde de Sinop, o reflexo na UPA 24 horas foi de superlotação. Também já houve casos de pacientes que tiveram que ser encaminhados para atendimento médico em Lucas do Rio Verde e Cuiabá.
A orientação da prefeitura é que a população procure as unidades básicas de saúde para atendimento inicial.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Seis deputados de Mato Grosso votam a favor da reforma trabalhista; Saguas Morais (PT) foi contra

Seis dos oito deputados federais de Mato Grosso votaram a favor da reforma trabalhista, aprovada na Câmara Federal na madrugada desta quinta-feira (27). Votaram pela aprovação da reforma Nilson Leitão (PSDB), Victorio Galli (PSC), Fábio Garcia (PSB), Carlos Bezerra (PMDB), Valtenir Pereira (PMDB) e Ezequiel Fonseca (PP) Adilton Sachetti (PSB) se ausentou da sessão por luto na família.
Galli afirmou que a reforma trabalhista é necessária no Brasil para atualizar e incluir novas leis na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas), criada em 1950. Afirmou que hoje as relações empregador/empregado estão “atravessadas” por vícios.
“Hoje, patrão se transforma em ladrão, o trabalhador pode fazer coisas fora da lei. Isso precisa ser sanado. A lei atual tem mais de 50 anos num Brasil moderno, com novas formas de emprego, que precisam ter amparo legal”, afirmou ao Circuito Mato Grosso.
Nilson Leitão também apontou a “modernização” das relações trabalhistas como justificativa suficiente para a aprovação da reforma. Questionado sobre as críticas de fragilização nos direitos dos trabalhadores, o deputado afirmou que “nenhum direito será perdido”.
“O tempo mostrará que as relações trabalhistas serão melhores. Quem critica a reforma hoje, critica por falta de informação do que está sendo proposto. Assim como a lei de terceirizações não causou efeito, a reforma trabalhista também mostra que vem para melhorar”.

Saguas Moraes (PT) votou contra

De acordo com Ságuas a aprovação dessa dita ‘Reforma Trabalhista’ trata-se da retirada de direitos históricos da classe trabalhadora. “O PL contém mais de 100 mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Na verdade o que a base aliada do governo ilegítimo de Temer aprovou foi o fim da CLT. É o fim da proteção da lei aos trabalhadores”, disse.
Entre as mudanças previstas na nova legislação estão: a prevalência do negociado sobre o legislado, ou seja, o que for negociado entre empresas e trabalhadores terá mais força que a lei; o aumento da jornada de trabalho de 8h para 12h por dia; a ampliação do contrato temporário de 90 para 120 dias; a redução do intervalo para o almoço de 1h para 30 minutos; possibilidade de contração de gestantes e lactantes para trabalharem em locais insalubres; entre outras.
Ságuas afirma que a aprovação do PL 6787 levou o Brasil de volta à década de 1930. “É a precarização total das relações de trabalho. A prevalência do negociado sobre o legislado fará com que os trabalhadores aceitem as regras do patronato, em troca do emprego”. Segundo o deputado, isso levará a perda de direitos. Por exemplo, na negociação com o patrão, para manter seus emprego o trabalhador poderá aceitar a redução de salário, abrir mão do 13º, das férias remuneradas, entre outros.

Tribunal reconhece falta de base legal em decisão de Moro

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região decidiu nesta quinta-feira (4) acatar pedido da Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva contra proferimento do juiz de primeira instância Sérgio Moro, que havia tentado obrigar - à revelia da lei - que o ex-presidente tivesse que estar presente durante todos os depoimentos das testemunhas convocadas por seus advogados. A decisão de Moro que acaba de ser desautorizada não foi considerada "razoável" pelo órgão de segunda instância. Leia, abaixo, nota publicada pelos advogados de Lula a respeito do assunto:

"O TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região deferiu nesta quinta-feira (4) liminar em habeas corpus pedido pela defesa do ex-Presidente Luiz Inacio Lula da Silva para dispensa-lo de estar presente nas audiências em que serão ouvidas as 86 testemunhas arroladas pela sua defesa técnica.
Segundo o Juiz convocado, Nivaldo Brunoni, que proferiu a decisão, "não parece ser razoável exigir-se a presença do réu em todas as audiências de oitiva das testemunhas arroladas pela própria defesa, sendo assegurada a sua representação exclusivamente pela sua defesa técnica".


quinta-feira, 20 de abril de 2017

Permissionários entram na Justiça para reverter extinção de micro-ônibus em Cuiabá

O Sindicato das Empresas de Transporte Alternativo de Cuiabá e Várzea Grande (SETA) entrou com uma ação judicial para reverter a extinção de seis permissões de micro-ônibus na Capital. Há cerca de 40 dias, os veículos foram lacrados, ou seja, impedidos de rodar, sem que fosse mantido o direito de defesa, com notificação prévia e período para manifestação. No final de 2016, situação semelhante ocorreu por duas vezes e o Poder Judiciário deu parecer favorável aos táxis-lotação em ambos os casos.

A alegação da Secrtaria de Mobilidade Urbana (Semob) foi que os veículos já haviam ultrapassado o período de validade, porém, as empresas não foram notificadas sobre a decisão, o que é garantido por lei. Outro ponto controverso, segundo a assessoria jurídica do Sindicato, é que no relatório da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Cuiabá (Arsec) publicado no Diário Oficial de Contas em fevereiro, foram citados 27 ônibus estão ultrapassaram o prazo de validade de 10 anos, mas nenhum foi lacrado pela Semob.

Nas várias reuniões entre a Semob e o Seta, os empresários afirmaram ter interesse em fazer o investimento para melhorar os micro-ônibus, no entanto, precisam ter um prazo para a compra de novos veículos e durante esse período, eles iriam fazer uma revisão geral nos táxis-lotação, com inspeção realizada por uma empresa para garantir o estado de conservação.

"Mais de 180 mil pessoas foram prejudicadas, fomos retirados de circulação sem direito de defesa, de forma arbitrária. Temos micros novos para colocar na frota, mas a Semob não aceita a substiuição. Infelizmente as gestões passam, mas só conseguimos resolver nossos problemas através do Judiciário", afirma o presidente da Seta, Marco Aurélio Sales.

Fonte: Pau e Prosa Comunicação 

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Emilio delata os Marinho: Se eu fosse um blogueiro sensacionalista, poderia dizer que se a Odebrecht é o pai, a Globo é a mãe do petrolão.

No minuto 12:45, Emilio Odebrecht menciona a organização, pela Odebrecht, de uma “sociedade privada”, com participação da Globo, com objetivo de fazer lobby pela privatização da telefonia pública e pela quebra do monopólio do Estado no setor de petróleo.
É um lobby diretamente ligado ao financiamento político do PSDB e do governo FHC.
A delação de Emilio Odebrecht está muito interessante. O empresário é um contraste chocante com os burocratas do Ministério Público, que não tem a mínima ideia de como funciona a vida real no mundo da política e dos negócios.
Pelo depoimento de Emilio, fica evidente que a Lava Jato começa com Odebrecht e Globo organizando, para o governo, o arcabouço jurídico dos setores de telecomunicação e petróleo, no Brasil, durante os anos seguintes. É o início do “petrolão”.
O famigerado “cartel das empreiteiras” foi idealizado inicialmente por uma sociedade privada formada por Odebrecht e Globo.
Se eu fosse um blogueiro sensacionalista, poderia dizer que se a Odebrecht é o pai, a Globo é a mãe do petrolão.
Lula era um elemento estranho nas grandes negociatas. Um “Amigo” politicamente simpático, porque interessado em ampliar a infra-estrutura do Brasil e financiar a exportação nacional de serviços de engenharia, uma liderança política a quem a Odebrecht tentava agradar com ajudas financeiras às campanhas eleitorais do PT.
No mesmo vídeo, Emilio admite que sua empresa financiou, via caixa 1 e 2, as duas campanhas de Fernando Henrique Cardoso, de quem era muito próximo.
No vídeo, o procurador parece um personagem de Porta dos Fundos, ultranervoso com as citações a FHC, tentando fugir, em vão, de assuntos que possam envolver o PSDB.

O cafezinho